Décio Freitas( feito para minha amiga)

Nesse solstício de sexta-feira, ajeito minha roupa no corpo vazio, está frio de agasalho , sinto sua falta me deito em linhas do tempo, busco as emoções vividas e coloco-as no vento, Ele sopra até onde você estiver, passa arrastando tudo que vier, leva as doçuras vividas por mim mulher, permeando as lisuras de quem sabe o que quer, Brisa que passa agora, passante e vai embora Diga a esse amor vibrante, que minha alma chora, estou morrendo de saudades, Isso é inegável e genial, meu grande e único amor, está na capital,, Passeia por edifícios, curte o povoado multiplicado, sente cheiro de fumaça, e eu aqui nesse tablado, saudade não passa,, Melhor deixar que o tempo se ajeita,, Sinto falta de você,, meu Décio Freitas....