Iguatemy

Ai que saudades dali, saudades do Iguatemy, Andando pelas valas da imaginação, começo a despir a ilusão, recordar que estive ali , eis a invenção, Descobri ouro e prata , beirando o chão, Era um tesouro perdido, nas plagas da emoção, Naquele solstício que brilhava, a alma cantava, parecia um ninho de passarinhos , não era carência e sim falta de carinhos, O mundo se abriu em riquezas, o ouro e a prata, serviram a mesa, com certeza és a beleza que mata, Iguatemy, estive ali, decantando seu nome, A certeza visual que tive, realmente me consome, Saudades de reviver momentos, ao alentos de um corpo perdido, caído, porém não sucumbido, pois a vida é uma ciranda, a sensibilidade é que comanda !!!!

Vergonha

Vergonha não sei de que, vergonha de mim para você, ainda irei entender, A vergonha há de esconder, as lágrimas que chorei, prantos que somei, Vergonha que nem sei!! Assim, me comunico , nas letras me trupido, vergonha te fez sumido, das iras dos letrais, vergonha que molha a fronha, vergonha de mim e dos mortais, Vergonha que me consome, vergonha até do nome, pois enebriada ,some, extenuada as vezes que encantei vergonha que decifrei, delírios enfrentei, Vergonha que nunca sonhei, nem tão pouco imaginei, Palavras extraídas de um ser que nem sei, vergonha de mim e de você, vergonha o quanto me manchei, Sonhos coloridos, esculpidos no coração, vergonha até da multidão, pois as palavras exaradas, foram por mim exortadas, Vergonha de acreditar, que o verbo amar foi mitigado, vergonha por ter encontrado na tela, papo de janela, aberta ao céu, vergonha de mim, gosto de fel, Mas , afinal, quem sou? A vergonha não encobre as virtudes que mostrou, a vergonha não aniquila as carícias que conquistou, vergonha incapaz de matar o que restou, resta grandes méritos de um ser que espatifou......

Vazio Frio

Sensação de perdas e vazios, dor acobertando a noite fria, Minha vida caminha para as horas sentidas, Muitas delas ressentidas por não ter nada feito, Apesar do desajeito, refaço o espaço imperfeito, Não ouve mal algum, esse é efeito, Palavras ditas, malditas em um diálogo insatisfeito, Revejo a conduta, não entendo a escrita, afinal, palavras bonitas , laçadas em fita, Amarrando o vazio que sinto, seu olhar não mais me fita, Portanto, perco na sensação de embriaguez, embebida a altivez do amor jurado, Porém, eis o recado, És o ser mais amado, no universo desencontrado, Me perdi em letrais, falsos sinais de nada, pois a vida não está nessa erudição circunscrita, Minha alma dita o texto refeito, Não há traição efetiva, Esse é meu maior argumento, sou o que meu coração dá sustento, Nada acaba assim, levado pelo vento, O amor alimenta a alma em alento, A doçura de meu embalo tem destinatário , Você é o meu armário, Em você deposito minhas esperanças, por você continuo a aventura em resgatar, Por você ainda posso sonhar, É com você que quero ficar.. Permita-me continuar a te amar...