rancho dos dias atuais

escrito

Vida X morte

Vida X Morte" Os opostos nada dispostos a lutar, a vida é soberana, chega e que ficar, A morte, bem profana, agora que entrar, ela traz em seu semblante, apenas o azar, A vida em seu extremo, gosta sempre de brilhar, quando modesta a sua cara ela vem para estampar, vira manchete e notícia, nada de policiar, a vida é amiga, ela quer se apoderar, desse corpo que com a morte, quase ia se deitar....

A fera

A Fera "" Não há bela sem fera, a fera é bela,,Quanta intenção boa, traduzindo o coração dessa fera, Fera , traços são embaraços, retratos de susto evidente, seu medo é iminente, ou efetivamente, acontece, Mas é bela sua face, está embutida nessa fera em disfarce, Fera, és bela a alma, acalma as tormentas, Fera , nãos és violenta, a beleza que sustenta está oculta, escondida na grandeza da alma, seu adereço é seu preço, mas é grandioso seu valor,,Tens amor no coração, o dom do perdão e sobretudo sentimento de paixão,,,Sentidos invertidos, a bela é a doçura da Fera, que também é adocicada pelas belezas das eras, Esperas por um momento mágico, encantado, a Fera vira príncipe de nobre reinado,,Mas a fera ,nunca foi feia, Foi a teia em formação, a Fera fez nascer a unção dos belos e opostos, a fera eu chamo daquilo que posso,,,,,Fera, linda delicadeza, come sempre a mesa e serve todos dentro de uma nobreza,,Fera, ferida é quem te avalia, feia é a mania de achar que bondade, tem haver com vaidade, Fera, bela, espio pela janela, as frestas de sua mocidade...

Parece que a distância é longe demais, mas o que impede não é a quilometragem, estamos próximos de nossas bagagens, O impedimento é sobre natural, vem de coisas vis, que o tempo diz banal, Mas que acabam impedindo o desfecho coisa e tal, a querença é constante, há vontade , ainda que distante, não há distãncia entre nós, estamos bem aqui, eu aqui você ali, estamos muito próximos, talvez no mesmo espaço, mas é raro o compasso, pagaremos esse preço, Quero-te nessa hora, és agora o começo...

escrito

Bolo de milho

"Bolo de Milho" " Saborosa mistura, milho, açúcar e outras doçuras, Mas, o que importa, é a circunstância, pois bolo de milho em um estrada, essa é a importância,,,Tantas iguarias, café acompanhando , o que acontece de bom, é a magia do encontrando, Na estrada do destino, um bolo foi saindo, de um lado, um homem com alma de menino, Do outro, uma mulher, tomando seu café!!! Nessa troca de apelos, um olhar em atropelo, o bolo de milho , engolido rapidamente, fez nascer encanto ardente,Nessa luta de emoção, corpos em reações, pois o milho misturado, já não era o recado,,Aqui, surge um amor inusitado, Nascedouro das paixões, amor que nasce da mistura de dois corações, Um, com gosto de filho e outro com gosto de milho, Filho, mulher, mãe e amante, Homem, engenho de coisas extravagantes, Nessa natureza híbrida , muito espaço modificado, o homem do bolo, ficou desconsertado, o café que a donzela tomava, acabou sendo esfriado, e nesse jogo de loucuras, algo marcado, Duas almas em louvor, carentes de amor, perdidso na estrada, felizes com aquela parada, Tudo novo por ali, Berço inicial da felicidade, tem o nome Iguatemy...

Ser Carente

"Como pode um ser vivo, viver fora da alegria,
como pode um ser carente, não ter amor todos os dias,
Como pode uma semente, não ser lançada ao chão,
como posso viver, sem alcançar sua mão,
Como pode uma mulher, ter como corolário a imaginação,
viver reclusa, albergada da razão,
como pode um peixe vivo, viver fora da água fria,
como pode um ser amante, errante , todos os dias,
Prisoneiro da solidão, como pode ter razão?
Deixe então, cantar uma canção,
que fale de amor e chore de emoção,
Como pode um trovador, viver sem seu refrão?
É o mesmo que o violinista ficar sem violão....

Coliseu

Coliseu imponente,
construção betônica,
cuja dimensão das paredes são embiônticas
O aconchego do espaço, tem luzes e compasso,
há diferenças de cores, jogos e embaraços,
Coliseu de emoção arquitetônica,
rudimentares formas de amar biônicas,
Lindas flores em ornamento,
aconchegam o sentimento
És pomposo e formoso,,
esse belo seguimento,
Sigo em busca de valores,
arraigados na parede,
de sons e cores , do Coliseu de momentos,
és lustrador de contos, encontros desencontrados,
vidas que se cruzam, de um jeito desordenado,
Tanta diferença exordial,
fica extenuada a beleza imperial,
as reações do corpo arrefecem,
a grandeza que as paredes enaltecem,
os corpos em movimento,alimentam o Coliseu,
nesse território povoado apenas por você e eu....