Te Descrevendo

Quero descrever você, difícil , porém irei me atrever,
és magro , nariz exuberante, você é um homem elegante,isso pude ver,
A noite era escura, a lua cheia, nada de terno, uma veste bem casual,envolver
Eu, bem singela, sandália baixa, calça com fivela, puro prazer
Nada aconteceu, apenas a noite nos envolveu, tudo era belo, castelo ,
fiquei deslumbrada, apaixonada, me entreguei a noite, queria cair,quase me atropelo,
Suspirei aos seus ouvidos, calados, senti seu sabor de tenro pecado
O tempo se expirou, continuei percebendo, sua face sorria, realmente era encantado
aquele lugar , todo o toque nas mãos, seus traços pareciam definidos,
homem da noite e da poesia, seu embalo prometia, mas, sufoquei meus sentidos,
a razão falava, gritava, volte para seu mundo real, chega de prelúdios, tudo estremecido,parti em disparada, peguei a estrada , com o coração arrefecido,
voltei para meu paraíso, adormecido, mas que é meu tesouro perdido....

Querendo

Abri mão de minhas fantasias, delírios, desejos,
estou aqui acuada, sofrendo a falta de seus beijos,
Renunciei as aventuras, amarguras, agora estou permitindo animar meus desejos,
Vou instigar meu corpo, ele é controlado por meus doces manejos,
Quanto facilidade no amar, continuo te querendo , venha me buscar,
Se o paraíso estiver distante, seja lindo amante, do sol e luar,
vamos nos atirar naquela escuridão, ver as estrelas, clarão, nos enroscar,
em toques amarrados, corpos juntos suados de tanto querer e amar,
te percebo na noite, sozinha, sinto seu aconchego, quero te conquistar,
Ainda estou te querendo, venha, vamos sonhar,
dormir na cama ou no chão, iremos nos entregar,
encobrir a pele molhada, de tanto o corpo suplicar,
faça a doação completa, estou querendo muito , te tocar,
sereno seu semblante,, faz a alma meditar, estar sem você é angústia,
sem busca, nada para criar, apenas digo que quero saborear novamente sua
carícia, fazer o corpo vibrar, diga que sim outra vez, vamos nos encontrar...

Presença Espiritual Acadêmica

Muito interessante esse dilema, pensei que só existia no cinema,
Ao terminar o trabalho acadêmico, minha aluna exclamou, professora um problema,
a Cidinha embora ausente, está presente, parece que o mundo parou,
achei muito divertido, seu nome estava instado no trabalho, a vista embaralhou,
Percebi que a amizade é algo além da presença corporal, é um liame espiritual,
que une almas sentidas, queridas, até na hora de um exercício de direito processual,
quanto inspiração me veio naquela hora, nem queria ir embora, eis um tema legal,
ausência , presença, distância e aproximação, tudo muito excepcional, casual,
Que amiga ideal, sincera, compartilha o nome ,a amiga estava em vôo internacional,
Que bela sinceridade, eis uma amizade de verdade, que doce simpatia, a alma pedia,
a professora cedia e a explosão acontecia, tudo era magia, fiquei encabulada,
parada, mas aceitei a justificativa, foi prova de consideração, emoção que irradia,
naquele momento percebi que o vento leva e traz, te coloca , te embala, sintonia
a amizade não é ave de arribação, que se faz bom tempo vem e mal tempo vão,
está além desse ditado, é um legado sincero, parece que veio do clero,perseguição
Passei a encarar a aluna como extensão da outra, solidariedade , pura agitação
daquele momento não consigo imaginar a falta da Cidinha, ela realmente é inspiração,
ternura, bondade e mora indubitavelmente em meu coração......,

Por Ti

Olho e vejo, tudo é gala
tudo canta, tudo fala,
Só minha alma,
não se acalma,
Muda e triste ,não se ri,
minha mente delira,
meu peito suspira,
por ti, por ti e por ti
Ai quem me dera essa vida
tão bela e doce vivida,
nos meus lares, sem pesares,
Não tinha visto minhas tranças,
nem rasgado as esperanças,
por ti por ti e por ti
Em seu sorriso embebido,
deixei meu sonho perdido
por ti por ti e por ti
Aí se eu pudesse ser formosa,
roçar-te os lábios de rosa,
como as flores, sem amores,
minhas emoções seriam hinos,
erguera cantos divinos,
por ti por ti e por ti
Aí, assim viver não posso!
quero você meu moço,
como a aurora,
que decora,
desfolhado bogari,
mas lá da campa na beira
Será a voz derradeira,
por ti por ti e por ti