Levemente.

Românticos são poucos,
Românticos são loucos, desvairados
Que querem ser o outro,
Que pensam que o outro,
É o paraíso.

Românticos são lindos,
Românticos são limpos e pirados
Que choram com baladas,
Que amam sem vergonha e sem juízo
São tipos populares, que vivem pelos bares
E mesmo certos vão pedir perdão
E passam a noite em claro
conhecem o gosto raro
De amar sem medo de outra desilusão
Romântico é uma espécie em extinção

Queijo e azeitona.

Conhecida

Em um espaço  ajeitado,
venda  de  gostos variados,
Uma  mulher  despercebida,
pois  era apenas  conhecida,
Mera  sensação embebida,
em  um  toque de  grandeza  invertida,
Porque  apenas  conhecida, nem amante nem amiga,
Mulher  de talhos  recatados,
velhos  seus bordados,
Mulher  de contos  acordados,
Conhecida  das  mãos  ávidas  em  tocar,
mas  despercebida  ao talante  do  apresentar,
Momentos  de  glória  e  alegria,
verdades  acanhadas    eu já  sabia!
Mulher  de  sonhos  e ilusaõ
era  apenas,  fragmento  de  emoção,
Conhecida  na  pronfundide
rechaçada  a intimidade  vivida,
Mera  conhecida dos textos  em  refrão,
mulher  com toque  de sedução
A  fala  cantada  no  brado  da  imaginação,
Mulher, supostamente  amada,
Conhecida  apenas  da  madrugada,
Mulher ,  de  andanças  pela  vida  apagada,
Conhecida  dos contos de fada,
quem  é  esse  conhecida  da estrada?
Mulher, aconhego  das horas  abandonadas,
mas  ,  profusão  de  reações  aninhadas,
Mulher  mal  apresentada,
mulher,  lindo  o sonho  que  animava,
Mulher, conhecida  as  curvas  de  sua  vida,
rodeada  de  paixão   mal  resolvida,
Mulher, conhecida  das  luxúrias  do amor,
Mulher, simplesmente, conhecida  da  Dor,,

Sangue

Sangue  vermelho , cor da paixão,
Sedentos lábios  em  busca  de emoção,
Sangue,    aroeiras   da imaginação
Porque   forte  o sangue  destilado,
em forma  de emoção  capsulado,
canteiro  com   simetria  de  cor,
Bem  pudera  ser colorimetria,
estudo  das cores  em  alegria,
Mas a cor  que  saia  era  a cor  do amor,
Sangue  , das  vivas  reações  celulares,
exemplares  de  uma  mulher  e  seu  pudor,,,
Sangue ,  colocando  o corpo  em  resguardo
atenuando   o  rubor   mergulhado,
Pois  a dor  acomodada , era  retrato  do pecado,
Sangue,  porque  enfraquecida  a  fúria  do  alado,
coração  especialmente  encantado,,,
Sangue ,  vermelho  fogo flamejante
ao talante  de  dois  seres  apaixonados,,,,,

Lágrimas,

" Lágrimas que molham a face sofrida por amar demais,
Gotas de lágrimas sentidas em um corpo que se desfaz,
Lágrimas caindo no rosto suado ,sem paz,
Lágrimas em abundância , rebanho repleto de ais,
Lágrimas em um olhar cansado pelas dores das horas
lágrimas de alguém que chora a saudade,
ao lembrar dos momentos de felicidade,
Lágrimas, um inundar 
sem cessar,
salientes gotas salgadas,,parecidas com o mar,
Lágrimas que escorrem de uma alma a chorar,
Choro incessante das lembranças envelhecidas
embebidas em reações adormecidas,
Lágrimas de tristeza e penar,
Lágrimas de uma mulher a lamentar,
A ausência é a sensação de vazio ,
lágrimas de calor e frio,
Uma constante variação de arrepios,
Lágrimas e lágrimas,,,choro incessante,
momentos retidos em um gesto elegante,
Lágrimas por querer estar perto,
lágrimas,,,simplesmente deserto ,
solidão apensada em um corpo desfalecido,
Lágrimas, por não permitir esse amor esquecido.........

Submissão

 " Pobre mulher submissa,
vida desprovida de cobiça,
Não vislumbra dias melhores ,navega no imaginário,
lamentações , penar diários,
guardas lembranças em seu armário,
Mulher de traços exuberantes, 
onde estão seus rompantes?
Condição de hierarquia , sem governantes,
A ditadura que está submersa, 
desperta para o mundo dos trajes elegantes,
Mulher das labutas diárias , desfalcada de pedraria,
mulher com sensações de estertor na face sombria,
sofrimento em suas senzalas, acorrentadas à noite fria,
O amor que toma seu peito, é a delicadeza que alicia,
Mulher de toques mágicos, pois transforma a noite em dia,
Porque sofrer em demasia? O ânimo que a embala,
vem da escuridão da voz que cala,,
Mulher da condição de subserviência ,
mulher, franqueada sua carência,,
Mulher, das noites acordadas,
pois mal amadas ,
Mulher , cujo senhorio é o tempo ,
correndo na contramão da vida ao relento,,,,

camarão

 " Camarão saboroso com pitadas de ervas finas,
camarão gostoso,,, inexistente em Minas,
Dificuldade de encontrar,,o verdadeiro paladar,
Quando aparece na feira,, é um pregão,
todos dando os lanços e o camarão na mão,
Leve quem ofertar a melhor quantia,
parece história de titia,
Camarão na panela,,só se for de dia,
A noite , nem pense que vai dar,
pois camar
ão, dificilmente irá degustar,
Assim é a vida do mineiro,
pensa em comer camarão o ano inteiro,
Até sonha com esse crustáceo,
degusta apenas o galináceo,
Pois camarão para mineiro,
é coisa de ricaço,
Mesmo assim vai levando seu recado,
sonhando com o tal camarão flambado,
Pensa na variação do camarão,
imagina também com pimentão,
O mineiro vai carreando a vontade na contramão,
come tutu de feijão acreditando ser camarão...

Osso

 Osso duro de roer,
osso gostoso de comer,
Osso de costela bem temperada,
osso na panela e na feijoada,
osso para todos os gostos,
Osso, desgosto dos que se deleitam,
gosto que se estreitam,
osso, na comida,,é toque de requinte,
partido ou impregnado,osso mais que vinte,
Vinte e uma maneiras de saborear,
osso no almoço e jantar,
Nada de carne, apenas osso para mastigar,,
Colosso falar de osso,
osso duro de saborear,
divino paladar ,
Osso, pode dar um toque a mesa,
quando servido com nozes e framboesa,
Osso, variação eclética sem noção,
osso, uma saborosa opção,
Servido junto ao arroz e feijão,
Osso em forma de farinha no pilão,
Osso e osso,,
nada contra essa receita inusitada,
osso também na feijoada,,
Osso e osso, segue o cardápio semanal,
só falta osso no prato de mingau,
Ai seria o reflexo do mal,
osso também tem limites de paladar,
Não dá para comer osso achando que é caviar,

Recurso( tema jurídico)

escrito