Mecanismos poéticos de segundo Grau

O primeiro grau já exauriu, começou e extinguiu,
tudo foi mera ilusão, vontade que nos consumiu,
eu e você em um espaço, pedaços espatifados, daquilo que sumiu,
Mas essa instancia perdeu a parada, as fases atropeladas,
a imagem será resgatada, existe ainda um recurso, basta articular ,
deduzir novas razões, falar de emoções, que a distância ainda quer conservar
Estou pronta para essa nova fase, utilizarei recursos poéticos, conquistar,
deduzirei uma razão diferenciada, um fato novo surgiu, sustentará minha apelação,
Quando se apela, é porque as tentativas foram várias, mas nada de resolução,
ainda bem que posso recorrer, e um pedido fazer, a seu meigo coração,
Na primeira fase fui infeliz, pedi bis e disse não,
encontrava evasivas, nada de permissivas, seu medo era irmão,
Mas, articulo em grau de recurso, faço instar meu refrão,
aceite minhas carícias, me dê a mão,
não renegue nossas sensações, vamos cultivar novas malícias, ainda há solução,
responda agora em verso, se aceita o meu recurso, se não nega provimento,
espero que lendo os argumentos, acate meu pedido, que está em pleno movimento,
ele reproduz, aquilo que está escrito, vamos completar nosso sentimento

Muitos celulares

Cena de filme ou dramalhão,
muito me chamou a atenção,
pois aquele tanto de celular, parecia multiplicação!
Fiquei a indagar, será mesmo comunicação?
Mas segui em direção, a meu ponto de chegada, era muita sedução,
Vontade de rir e amar, mas muito me encabulava, aquele tanto de celular,!
Muito mais de três, nem sei quantos ao todo, mas isso é de questionar,
será que um único homem, tem vários telefones? Realmente um pulsar,
de pensamentos vagando, indo e chegando no mesmo lugar,
Onde está agora, aquele homem foi embora, levou seus telefones, será que vai ligar?
Para que tanto número? Acredito que seu coração é imenso , tem muito amor para dar,
meu doce amado, não poderia deixar de dizer, que tive dúvida sobre você, mas posso imaginar, que tanto aparelho telefônico , te deixará afônico,
sua voz um dia não conseguirá decantar,
ficará perdido ao meio de tanta ligação, azaração, amolação,
Não te deixam curtir a solidão,
sempre estão te chamando, não sei quem, mais sei que é uma multidão
Portanto, fica registrado , quando seu celular tocar , farei um atrevimento
pegarei todos de uma só vez, jogarei ao relento, deletarei todo recebimento,
irei na agenda de nomes, excluirei a comunidade feminina,
pois mesmo mediante de tanto celular, a solidão pode ser rotina,
existem vários chamados, muita adrenalina, acredito que essa será sempre sua sina!!!!

Surpresa Surpreendente

Surpresa surpreendente, mexeu tanto, comovente,
espaço pequeno, calou os sentidos, em um lugar , falei breve , me despedi
um simples beijo de cordialidade, muito receio de enfrentar a verdade, encobri
Toda aquela emoção, que outrora senti,
Não havia outro jeito, aquele era perfeito, nem imaginei ser ali,
outro povoado, você em um recinto e e eu noutro, mesmo assim percebi,
Que houve uma vontade louca , viajarmos, para qualquer lugar, até para o Hawaii,
Quanto mais longe, melhor a intensidade, queria realmente sumir,
pegar a estrada, sair em disparada, eu e você , exaurir,
toda sensação de ternura, doçura , beijar e sorrir,

Leite e Café

Café, bebida atraente, nos envolve, marca encontro,
café na mesa, no bule, café no ponto
Sua textura , seu sabor, acontece tudo e pronto,
Deliciosa bebida, estimulante, revigora a vida,
Do outro lado , o leite, bebida que permite a calcificação,
mas o preço é tão pequeno, despenca o ideal no chão,
Café e leite, simbiose perfeita, nos alimenta e cria ilusão,
Em uma mesa de bar, nada desse mix gostoso, é pinga que rola, faz confusão
gente chegando, saindo e

Cravo Negro

De repente, da noite para o dia,
aquilo que era magia, virou nostalgia,
Existia um cravo lindo, que contagia..
Mas seu gênio ruim, fez surgir a ventania,
Uma brisa mansa que passava, virou tempestade,
ele se fechou para a vida, perdeu sua majestade
Seu tom lindo, ficou negro, Obscuridade..
Esse cravo vivia no jardim dos meus sonhos, era beldade,
Portanto, seus ímpetos de loucura, cortou a serenidade,
Hoje ele é sombrio, frio, continua em sua estranheza,
que cravo diferente, nunca percebi tanta fraqueza,
Basta um olhar obtuso, uma palavra pungente,ele perde a nobreza,
Mas esse cravo, ainda tem salvação!!!
pode mudar o foco, rever a questão,
Seu coração é poético, pura imaginação,
não acredito que esse cravo seja sempre escuridão.....