Felicidade na rua

Minha felicidade anda perdida, sumida, indigente,
perdeu-se em seu espaço, virou semente, lançada ao acaso imprudente,
Felicidade está demente, doente, quer carinho e sonha docemente,
Minha felicidade é andante, navegante e quer atracar em sua mente,
Sentir seu abrigo, fugir do perigo, aproximar da lua,
quer encontrar um porto seguro, ficar bem perto, sair da rua,
A rua é seu abrigo, perdeu-se a identidade, criou-se realidade crua,
Meu doce mistério, perambulante e teimoso, quero ser sua!!!!
Acho complicado,viver esse amor de pecado,
porém, minha mente vagueia, continua perdida na rua, em noite de curto recado,
Meu amor ambulante, deixe de ser viajante, estou em pé, quero te ver deitado,
Morando comigo na rua, ou me deixando grudar, fixando em seu leito gelado,
ele é encantado, um belo castelo, bem mais que um aglomerado,
de gestos perdidos, gemidos sufocados, cultivarei esse novo penteado,
me vestirei de esperança, farei longas tranças, te verei modificado,
orgulhará de sua mulher , que morava na rua e hoje tem um belo reinado...

Roberta, uma mulher de Cinema

Minha amiga Roberta, vejo o quanto é esperta,
mal sai um filme, já está em alerta,
adquire o ingresso, da forma mais discreta,
entra na tela e completa a conversa,
tudo fica consagrado, adquiri o bilhete e parte para o tinerário,
O dia é curto e o filme será um doce calvário,
onde o cansaço não se permite, pois já embala o próximo cenário,
Gosta de filmes bem variados, agrada as crianças e seu imaginário,
Sua cultura é universal, sabe de tudo, sacode nosso plenário,
Conversar com você é um verdadeiro santuário,
ficamos purificadas, pois sua sensibilidade é algo extraordinário,
Roberta, mulher de cultura cinematográfica,
conhece o planeta e sua estrutura demográfica,
percebe os sentidos, anima os ouvidos, sua fala é de grande profusão,
acalma as amigas, sempre dá sugestão,
conhece muitos lugares, viajou para metade do mundo, por isso adora uma sessão,
A próxima ida ao cinema, quero te acompanhar, pois tenho certeza, será uma animação.......

Espuma no Feijão( rsrs)

Fui surpreendida pela funcionária do lar,
a mesma colocou sabão no feijão e começou a lavar
Eu , de inopino fiquei a gritar,
amiga, isso nunca vi, lavar feijão, só se for para matar,
Ela muito matreira, não negou a versão, e disse, sempre me ponho a lavar o feijão,
Meu Deus, fiquei preocupada, pois o feijão que comemos é lavado, isso é perdição,
podemos nos intoxicar com os resíduos, tudo fica perdido, nada de degustação,
Lavar feijão com sabão? Juro, nunca vi isso não !!!!!!
porém ela ainda persiste, em continuar lavando, e não muda de opinião.....
O que fazer com a danada, ou ela para de espumar o feijão e ficará desempregada,
Pior que ele não tem medo não,
se for embora, vai para outra casa, e continuará ensaboando o feijão
Quero dar a ela um nome, lavadeira , você precisa mesmo é de ser chamada de ilusão,
lavar feijão, isso é moda antiga, no feijão da fazenda fazia-se a conferição.
Portanto minha dileta funcionária: se queres tanto feijão, esqueça o sabão...

Queria a Plenitude

Como gostaria de viver a plenitude dessa paixão.
mas o pudor me consome, coração diz sim e ele não,
Meu corpo implora por carícias, delícias dessa doce atração,
Mas a realidade da vida, é diferente, nos coloca em outra direção,
Queremos atingir o apogeu, mas as condições, fecham as portas, cria limitação,
Quero beijar ardentemente, cegar minha visão, ficar obtusa, curtindo a sensação,
O simples toque já será a grande satisfação, as mãos em deslizes, o corpo em erupção,
não há necessidade de atingir tanta profundidade, basta a leveza, suavidade,
Pois não só as investidas ousadas, são queridas, um simples delírio, mostra a extremidade,
Nós seremos os extremos, do tatear sem ousar, do amar, sem machucar,
do sentir sem gritar, do sussurro sem lágrimas a enxugar,
nós seremos o amor de verdade, a teoria e a praticidade,
faremos do nosso encontro, uma eterna saudade.......

Ajustes

Muitos ajustes terei de fazer,
irei conviver com sua ausência,
isso é decisão, que aos poucos fui perceber,
Não há perspectivas de um único encontro, de nada adianta o ponto, se não pode querer,
Seu medo foi óbice, meu pudor, um verdadeiro inibidor, de meus delírios , do saber,
Que um dia tudo seria lindo, iria dessa bebida novamente degustar, te perceber,
A solidão me abateu, meu suspiro enfraqueceu, pois a razão excedeu, e hoje, não posso ceder,
A seus encantos, seu olhar tem grande profusão, portanto , ajustei meu ser,
coloquei a lógica acima da estatística, o espelho quebrei, nada de me convencer,
talvez eu volte atrás, estou vulnerável a seu amor,
quis demais, enviei lindas mensagens, sua ausência causou dor,
Se bebemorar desse momento, a dor irá persistir, virá o desejo de novamente sentir, estertor,
porém meu amor, nesse instante, estou fragilizada, sonhei muito e fiquei acordada,
sua figura desaparece aos finais de semana, durante, não me chama, poucas cutucadas,
meus ajustes tem parafusos frouxos, sem sustentação, nem nada,
mas procurarei ser bem controlada, a vontade louca de você, está guardada..