Ai, ai e ai ( feita a pedido de Joaquim Costa, após descrição da personagem)

Ai, ai, ai,,assim não vai, de onde vem essa coisa, não sei nem quem é o pai, Ai, ai e ai,,para onde pensa que vai, sente fome de riqueza, nobreza é algo que não cai, Ai, ai e ai,, moça, que cacoete , eis uma indagação, para permanecer na terra dos nobres, pretende mudar sua visão? Então..Ai , ai e ai,,moça, nós a rechaçamos, pois seus costumes são péssimos demais, Quantos anos tens? Pensa que engana,mas não faz bem a ninguém, Ai, ai e ai,,moça quado será que você vai, pois fará muito bem, Erva daninha, muito baixinha, valores aquém, portanto,,ai, ai moça,,,vá para o além, Mas. ao chegar na entrada , receberá uma chamada, aqui vai um cordel,São Pedro vai indagar onde era o bordel, Viveu na terra no belelel , destilou veneno, cumpriu bem seu papel,,,,,,,, Aqui não tem espaço para moça que difama sugiro que volte para seu mundo e fique na cama, Não saia de lá, queira na cama eternizar.