Espiada

Não quero dizer seu nome,
mas seus versos me consomem,
Navego em suas poesias,
as copio e coloco em ações do meu dia a dia,
Desculpe a invasão, perdi a razão, naveguei nessa fantasia,
Estou copiando seus versos, mas colocando um código de autoria,
Nada disso é furto, me atrevo em entrar em sua doce magia,
Quero compartilhar com meus amigos, sua linda mania,
Como escreve bem, parece que tem alguém , seu guia,
Sei que escrever poesia é algo da alma, isso eu já sabia,
Mas os poetas não podem, não devem, perder sua sabedoria,
Você se ausentou, fiquei questionando: porque se perdia....??
Portanto , continuarei invadindo sua essência,
extraindo dela ,toda a transparência,
que move o seu sonhar, e que um dia embarguei e naufraguei,
Não sucumbi, pois a visão , ainda sei,
permitirá olhar seu universo, seus versos,assim farei,