Vazio

De repente um vazio, sinto medo, frio
não vislumbro o agora, amanhã já foi embora
Desapareceu a esperança, minha alma, vaga, dança
não embala um bom tom, falta de ritmado, tudo embolado
Não sei quem sou, me perco, volto e vou,
estou indo para algum lugar, não chego, eternizar
Minhas ilusões enfraquecidas, árduas e oprimidas
Fala quase cala, não ouço a melodia, seja noite seja dia,
o que faço agora, meu peito chora, sinto que a tristeza irradia,
mudo a cor, invento novos tons, não há vibração, perdeu-se, emboscada
aqueço meu corpo sem coberta, fico exposta, incerta, minha visão embaçada,
Quero um ponto de partida, um norte, um guia, vou resgatar minha alma desolada,
esculpir em mim uma mulher renovada, desapegada do passado, com feição animada,
Surgirá em mim uma nova meta, seguirei a seta, sempre em linha reta, fracionada
Pois o que se partiu, fragmentou, não ficou, a recomposição impossibilitada,
apenas queria libertar, novo destino tomar, nem sei se vai dar, ou ficarei estagnada..